Aqui você encontrará dicas, novidades, mods, patchs, vídeos...aff enfim..tudo relacionado a games e tecnologia!E muitas dorgas tbm!
 
PortalInícioFAQ/FaceVicioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 The Elder Scrolls II: Daggerfall

Ir em baixo 
AutorMensagem
brambilla27

avatar

Mensagens : 25
Pontos : 44
Data de inscrição : 27/11/2011
Idade : 27
Localização : São José do Rio Pardo

MensagemAssunto: The Elder Scrolls II: Daggerfall   Qua Dez 07, 2011 11:27 am



The Elder Scrolls II: Daggerfall, lançado nos idos de 1996. A série The Elder Scrolls tem uma jogabilidade bem característica, e um mundo tão complexo quanto o de D&D ou Lord of The Rings. A respeito da construção personagem, e do role playing, o segundo jogo da série não inova muito em relação ao primeiro, mas isso não significa algo ruim! A visão 3D oferece uma ação de jogo dinâmica e envolvente, bastando apenas um clique no botão de ação para atacarmos, conversamos, roubarmos ou observarmos. (Apenas cuidado para não meter uma clava na cabeça do mercador!)





O jogo começa com a criação do seu herói/heroína: você deve escolher uma raça, e cada uma delas possui uma variação regional de atributos, e de sexo também. Não aconselho fazer Redguards (female) ou Nords (male), pois são os que mais perdem atributos. Outro aspecto interessante é a variedade de classes que vão além do warrior/theft/mage/priest. Você ainda pode customizar seu personagem, seja respondendo questões sobre seu passado e conduta, ou distribuindo os pontos da maneira que desejar (se você fizer uma classe fixa, também terá um número de pontos para distribuir). À medida que o jogo avança, você ainda pode se filiar à guildas de magos, covis de ladrões, associações de guerreiros, e em todas elas conseguir missões e treinar suas habilidades. É importante ressaltar que a evolução dos personagens depende estritamente do treino da habilidade específica da classe: ou seja, você não vai ganhar experiência se for um mago e ir bater com uma clava em monstros, mas vai ganhar usando magia; da mesma forma, um ladrão vai evoluir roubando, abrindo fechaduras, etc.



O sistema de vestimenta e armadura dos personagens é muito divertido, chamado de “paper doll”, como as bonequinhas de papel reais. É uma maravilha poder escolher entre milhares de vestidos, cotas de malha, elmos e espadas e ir enfrentar a próxima dungeon, só nessa parte, boa parte dos jogadores já acha muito o que fazer. Mas ir até a dungeon a pé é tão ruim quanto ir até o shopping de ônibus, então é melhor comprar um cavalo. Ah, e dinheiro pesa, infelizmente. Não são todos os monstros que liberam equipamento, dinheiro e ingredientes, mas é preciso escolher sabiamente o que pegar, pois em todas as masmorras seu progresso é apagado se você for embora. Além do mais, você pode achar pelo caminho ingredientes para poções, ou comprá-los em lojas; isso é especialmente importante para a evolução do mago.



Não existe problema em entrar em mais de uma guilda, para conseguir suas missões e/ou treinar habilidades; mas é preciso ser cuidadoso na escolha de um templo, pois uma vez que você entre é muito trabalhoso sair. Aparentemente o templo de Arkay é o melhor, pois vende soul gems. Uma outra coisa boa dos templos é que eles podem fornecer cura, e não me refiro apenas às batalhas, pois existe uma lista de doenças que você pode contrair, incluindo febre tifóide, demência, cólera e lepra.

Uma das melhores vantagens do jogo é seu sistema não linear de avanço dentro da história. Existem, é claro, as missões chave que abrem caminho para os finais, que, dizem os bardos, são seis; fora isso, o mundo é livre para ser explorado, com milhares de Dungeons e cidades – milhares mesmo! – dando uma sensação inigualável de imersão.



Segundo a Bethesda, produtora da série, a área total do jogo é de simplesmente 487.000 Km², ou seja, duas vezes o tamanho da Grã-Bretanha. Então, retroboys e retrogirls, se vocês tiverem o hábito de explorar cada pedacinho do mapa, desistam de suas pós-graduações e comecem a jogar 13 horas por dia.

Enfim, Daggerfall – ou melhor, a série toda The Elders Scrolls – é uma obrigação na história de vida de todo rpgista e gamer: pois eu nunca vi um jogo no qual o sentido exato de ser um personagem de fantasia medieval se concretize com tanta realidade, com todas as suas dificuldades, mas, especialmente, com todos seus prazeres.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://clubedosquadrados.wordpress.com/
GamerHerd
Admin
avatar

Mensagens : 39
Pontos : 69
Data de inscrição : 27/11/2011
Idade : 24
Localização : Belo Horizonte/Minas Gerais

MensagemAssunto: Re: The Elder Scrolls II: Daggerfall   Qua Dez 07, 2011 11:36 am

Lool q show manoo!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://gamerherd.forumeiros.com
 
The Elder Scrolls II: Daggerfall
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Integrando Mansions of Madness, Elder Sign, Arkham Horror e Eldritch Horror
» Elder Sign - resenha

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Games :: Emulações-
Ir para: